terça-feira, 7 de julho de 2009

O que fizeste,
ó donzela minha,
que não sai dos pulsos elétricos dos meus
neurônios
e me faz escrever assim,
tão peculiarmente antiquado
do lírio sentimento dos amantes.

Nenhum comentário: